Violência à mulher (S08E22)

A violência contra a mulher é muitas vezes banalizada, principalmente quando se trata de violência moral. Esta semana o episódio põe em discussão de que forma essa violência é enraizada na sociedade.

Participantes: Letícia Fainé, Jullie Farias , Iuri Batista e Valéria Lima.

Edição de Alexandre Mello.

Aconselhamos o uso de fones de ouvido para escutar os programas.

Rock 1 – Bikinni kill- Candy.

Rock 2  – Pitty- Desconstruindo Amélia.

Rock 3 – Chico Buarque- Geni e o Zepelim.

Ah, você não gosta das músicas? É uma pena, mas não tem problema! Agora você pode ouvir a versão sem músicas! Esse é o nosso Lado B!

Assine o Lado B para sempre ter acesso ao episódio editado sem as músicas!

Assinar

Lado B

Ou assine com seu app favorito usando o endereço abaixo

Gostou do episódio? Não gostou do episódio? Encontrou alguma falha gritante (ou pequena que seja)? Envie seu comentário! Pode ser aqui mesmo no site ou pelo email rock@rockcomciencia.com.br. Ou ainda pelo Twitter ou Facebook!

1 thought on “Violência à mulher (S08E22)”

  1. Parabenizo pelo podcast, mas eu como homem (criado entre mulheres, também não tive pai) e pai de meninos e meninas não posso deixar de comentar sobre os excessos e incoerências da argumentação puramente feminista (nada científica, como o título do canal de podcast enseja) que coloca o homem, a família, a sociedade como o grandes vilões e as mulheres como as únicas vítimas. Gostaria que também fosse levado em conta que essa cultura permissiva que vigora hoje, que agora virou “cultura do estupro”, uma generalização criminosa a meu ver, está aí em grande parte por culpa das próprias mulheres que se vendem, e reivindicam esse direito, como um pedaço de carne em troca de dinheiro, conforto, futilidades e também da própria vaidade e por outro lado se vitimizam por serem tratadas como tal. Os homens são bombardeados diariamente com a propaganda da mulher como mercadoria, como algo a ser desejado. A pornografia que está cada vez mais difundida tem a mulher como sua principal mercadoria e não venham me dizer que todas essas mulheres estejam sendo forçadas como escravas modernas. A construção dessa imagem vem de longa data, lembrem-se das “marias gasolinas”, “marias chuteiras”, da “mais antiga profissão” que clama por regulamentação (se já não foi) e me digam então que isso tudo é culpa da sociedade machista, patriarcal, da igreja católica e etc…. Como reverter essa cultura? Será que somente a judicialização e a criminalização do homem vão resolver esses problemas e então as nossas meninas poderão sair pelas ruas seminuas, “descer até o chão” ou fazer o “quadradinho de oito” sem ser importunadas? Querem respeito? Se dêem ao respeito. Querem direitos, cumpram também seus deveres e honrem o dom de serem os únicos seres capazes de gerar vida, algo sagrado e digno de reverência. Querem ter o direito de vender o seu corpo para ganhar a vida então me digam como os homens vão diferenciar entre a mulher que deve ser respeitada da que está à venda mostrando seu “produto”. Quanto a parte que toca a minha religião, citem qual parte da bíblia que incite violência contra as mulheres e que faça parte da religião que só prega o amor e a paz. Não sou um profundo conhecedor desse livro mas não a ponto de confundir relatos históricos de um passado remoto com o “Amar ao próximo como a si mesmo”. Acho que o mínimo que podemos esperar de um podcast e de quem se propõe a ser um influenciador digital é um mínimo de coerência e respeito aos seus influenciados.
    Cordialmente,
    Giovani Colla

Deixe uma resposta