Violência à mulher (S08E22)

A violência contra a mulher é muitas vezes banalizada, principalmente quando se trata de violência moral. Esta semana o episódio põe em discussão de que forma essa violência é enraizada na sociedade.

Participantes: Letícia Fainé, Jullie Farias , Iuri Batista e Valéria Lima.

Edição de Alexandre Mello.

Aconselhamos o uso de fones de ouvido para escutar os programas.

Rock 1 – Bikinni kill- Candy.

Rock 2  – Pitty- Desconstruindo Amélia.

Rock 3 – Chico Buarque- Geni e o Zepelim.

Ah, você não gosta das músicas? É uma pena, mas não tem problema! Agora você pode ouvir a versão sem músicas! Esse é o nosso Lado B!

Assine o Lado B para sempre ter acesso ao episódio editado sem as músicas!

Subscribe to
Rock com Ciência - Lado B

Or subscribe with your favorite app by using the address below

Gostou do episódio? Não gostou do episódio? Encontrou alguma falha gritante (ou pequena que seja)? Envie seu comentário! Pode ser aqui mesmo no site ou pelo email rock@rockcomciencia.com.br. Ou ainda pelo Twitter ou Facebook!

1 thought on “Violência à mulher (S08E22)”

  1. Parabenizo pelo podcast, mas eu como homem (criado entre mulheres, também não tive pai) e pai de meninos e meninas não posso deixar de comentar sobre os excessos e incoerências da argumentação puramente feminista (nada científica, como o título do canal de podcast enseja) que coloca o homem, a família, a sociedade como o grandes vilões e as mulheres como as únicas vítimas. Gostaria que também fosse levado em conta que essa cultura permissiva que vigora hoje, que agora virou “cultura do estupro”, uma generalização criminosa a meu ver, está aí em grande parte por culpa das próprias mulheres que se vendem, e reivindicam esse direito, como um pedaço de carne em troca de dinheiro, conforto, futilidades e também da própria vaidade e por outro lado se vitimizam por serem tratadas como tal. Os homens são bombardeados diariamente com a propaganda da mulher como mercadoria, como algo a ser desejado. A pornografia que está cada vez mais difundida tem a mulher como sua principal mercadoria e não venham me dizer que todas essas mulheres estejam sendo forçadas como escravas modernas. A construção dessa imagem vem de longa data, lembrem-se das “marias gasolinas”, “marias chuteiras”, da “mais antiga profissão” que clama por regulamentação (se já não foi) e me digam então que isso tudo é culpa da sociedade machista, patriarcal, da igreja católica e etc…. Como reverter essa cultura? Será que somente a judicialização e a criminalização do homem vão resolver esses problemas e então as nossas meninas poderão sair pelas ruas seminuas, “descer até o chão” ou fazer o “quadradinho de oito” sem ser importunadas? Querem respeito? Se dêem ao respeito. Querem direitos, cumpram também seus deveres e honrem o dom de serem os únicos seres capazes de gerar vida, algo sagrado e digno de reverência. Querem ter o direito de vender o seu corpo para ganhar a vida então me digam como os homens vão diferenciar entre a mulher que deve ser respeitada da que está à venda mostrando seu “produto”. Quanto a parte que toca a minha religião, citem qual parte da bíblia que incite violência contra as mulheres e que faça parte da religião que só prega o amor e a paz. Não sou um profundo conhecedor desse livro mas não a ponto de confundir relatos históricos de um passado remoto com o “Amar ao próximo como a si mesmo”. Acho que o mínimo que podemos esperar de um podcast e de quem se propõe a ser um influenciador digital é um mínimo de coerência e respeito aos seus influenciados.
    Cordialmente,
    Giovani Colla

Deixe uma resposta